Casos da doença também foram confirmados nas cidades de Atibaia e Piracaia SP .

Segundo a Prefeitura Municipal de Bom Jesus dos Perdões a cidade teve  4 casos de suspeita, porém, um deles confirmado como sarampo.

Os exames são encaminhados ao laboratório Adolfo Lutz, segunda a prefeitura de Bom Jesus dos Perdões, não existe prazo para retorno do resultado dos exames, possivelmente por conta da demanda do estado.

Em todos esses casos a Secretaria de Saúde realizou a ação de bloqueio, imunizando os moradores que residiam na mesma casa que a pessoa, bem como todos os que tiveram contato direto com a mesma.

Os casos de suspeita ocorreram nos bairros Bela Vista, Serra Negra e Cidade Nova.

O município não dispõe de campanha de vacinação contra o sarampo por não fazer parte das cidades onde se constam registros de surto, portanto, não recebeu doses de vacina do Governo do Estado de São Paulo.

Em nota, a Prefeitura informa que a vacinação contra o sarampo e rubéola deve ser feita seguindo o calendário nacional de vacinas, em crianças de 6 meses a 1 ano, a vacina é disponibilizada fora do calendário àquelas crianças que freqüentam lugares com grande aglomeração de pessoas. Pessoas acima dos 49 anos não necessitam ser vacinadas.

O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa, que cursa com febre, tosse, coriza, conjuntivite e manchas avermelhadas na pele (exantema aculopapular).

O sarampo pode ser acompanhado de complicações sérias, principalmente em crianças menores de cinco anos, adultos maiores de 20 anos ou pessoas com algum grau de
imunodepressão.

O primeiro sinal do sarampo é a febre alta que dura de quatro a sete dias, acompanhada de coriza, tosse, olhos avermelhados.

Após alguns dias surgem manchas avermelhadas na pele, com início na face e atrás do pescoço, progredindo em direção aos membros inferiores, duração de aproximadamente três dias, e desaparece na mesma ordem de aparecimento.

A vacina tríplice viral é a medida de prevenção mais eficaz contra o sarampo, protegendo também contra a rubéola e a caxumba.

No calendário de vacinação de rotina, a primeira dose deve ser administrada a toda criança de um ano de idade e uma segunda dose a crianças de 15 meses.

Os adolescentes e adultos jovens até 29 anos de idade devem ter duas doses da vacina, e os adultos que nasceram após 1960, pelo menos uma dose, de acordo com os calendários de vacinação de adolescentes e adultos do Estado de São Paulo.

A vacina tríplice viral é recomendada aos profissionais da educação, da saúde, viajantes, além de profissionais que atuem no setor de turismo, motoristas de táxi, funcionários de hotéis e restaurantes, e outros que mantenham contato com viajantes internacionais.

A vacina encontra-se disponível em todas as unidades de saúde do estado.
Esta vacina não é recomendada para crianças menores de seis meses, gestantes e pessoas imunodeprimidas.

 

Mais sobre sarampo:

http://portal.saude.sp.gov.br/